[Filme] A Sala do Suicídio - 2011 (Resenha - spoilers sinalizados)

[Filme] A Sala do Suicídio - 2011 (Resenha - spoilers sinalizados)
(Imagem retirada da internet)

Seguindo meu cronograma de intercalar publicações novas no blog com a republicação de posts antigos da página do Facebook (melhorando e complementando eles, claro), hoje é a vez de postar um texto novo e eu decidi fazer uma resenha do filme A Sala do Suicídio (título original: Sala Samobójców, Suicide Room em inglês), polonês de 2011 que foi um filme que eu assisti há um tempo e desde que eu comecei a fazer resenhas eu quis escrever sobre ele (eu tenho um arquivo com uma lista das resenhas que eu pretendo fazer 😂, me aguardem).

Dessa vez eu resolvi incluir spoilers porque tem coisas que acontecem no filme que eu acredito que merecem ser comentadas, mas se você ainda não assistiu, pretende assistir e não quer ter spoilers, não se preocupe, eu vou deixar eles separados e sinalizados no final do texto, então você pode ler a resenha até a parte que não contém nenhum spoiler, assistir o filme, depois ler o restante da resenha. Ou você pode assistir o filme antes de ler o texto todo, fica a seu critério 😉.

Siga nas redes sociais:
👍 Facebook | 💬 Twitter | 📷 Instagram | 📌 Pinterest
🔔 Seja um padrinho! Conheça minha campanha no Padrim




River dizendo seu bordão: "Spoilers"
Para descontrair um pouco já que o texto vai ficar pesado mais
para a frente taí um GIF da personagem River Song de Doctor Who
dizendo seu clássico bordão: "Spoilers".

[Alerta de gatilhos: esse filme é incrível, porém é muito melancólico e pesado. Ele trata de assuntos delicados como ideação suicida, automutilação, cyber bullying, sexualidade, traumas, depressão profunda e até agorafobia. Se você está em crise de depressão e tem tido pensamentos sobre morte e suicídio (mesmo que não tenha sido ideação suicida propriamente dita) passe longe desse filme! Só assista ele depois quando você tiver condições psicológicas para isso (ou talvez nunca mesmo... 😨). O filme te leva para um lugar muito ruim, muito ruim mesmo e ele não te mostra outras saídas e isso pode fazer mal para muitas pessoas, tome muito cuidado!]

Não sabe o que é gatilho? Gatilhos são conteúdos, cenas, imagens ou frases que podem desencadear crises em pessoas que sofrem com transtornos mentais ou problemas psicológicos. Uma pessoa que sofreu algum tipo de abuso sexual pode ter crises ao ver cenas de estupro ou assédio sexual em filmes, por exemplo.


Não dá para a gente saber quais gatilhos as pessoas tem porque não existe uma regra sobre isso, as pessoas podem ter gatilhos sobre muitas coisas, até coisas bobas para a maioria das pessoas. Eu mesmo tenho gatilhos, no caso situações ou até mesmo objetos que desencadeiam crises e ataques de pânico em mim. Existem alguns gatilhos que são mais comuns, entre eles esses que eu mencionei que o filme possui.

Aí vocês se perguntam: então por que você está fazendo uma resenha sobre esse filme se ele é tão pesado? Bem, eu acredito que ele realmente não é indicado para pessoas que estejam passando pelos tipos de problemas retratados, mas eu acho que pode servir para conscientizar pessoas que não entendem muito de depressão e por ignorância acham que é besteira ou frescura.

Ele transmite muito bem o desespero que é estar vivendo um episódio depressivo agudo muito intenso, mesmo quem nunca teve depressão se tiver um pouquinho de empatia captar um pouco de como é passar por isso. Também é um filme muito instrutivo para quem é estudante de Psicologia e Medicina.


Suicídio é contagioso?

Até que ponto falar sobre depressão e suicídio é algo bom ou algo que pode incentivar a prática? Existe um fenômeno chamado Efeito Werther que consiste em ocorrências de suicídios motivados pela divulgação de notícias ou histórias de suicídio, como se fosse uma epidemia, ele tem esse nome devido a um livro alemão que foi responsável por uma onda de suicídios em que as pessoas se mataram da mesma forma que o protagonista da história.
"Uma das associações mais antigas conhecidas entre mídia e suicídio surgiu do romance alemão Die Leiden des jungen Werthers (Os Sofrimentos do Jovem Werther em português) de Goethe. Logo após a sua publicação em 1774, jovens começaram a imitar o personagem principal vestindo calças amarelas e jaquetas azuis.[6]
No romance, Werther atira em si próprio com uma pistola depois da rejeição da mulher que ele amava, e logo após sua publicação começaram a existir relatos de jovens rapazes usando o mesmo método para se suicidarem em um ato de semelhante desesperança.[6]
Isto resultou no banimento do livro em diversos lugares, como Leipzig e Copenhague. Em Milão, o Arcebispo ordenou a compra de todos os exemplares e os queimou em praça pública.[7][8] Daí o termo "Efeito Werther", usado na literatura técnica para designar uma onda de suicídios copiados.[9] O termo foi cunhado pelo pesquisador David Phillips em 1974, dois séculos depois do romance de Goethe ser publicado.[10]
Relatórios em 1985 e 1989 de Phillips e seus colegas descobriram que suicídios e outros acidentes parecem crescer depois de um suicídio bem publicizado.[6] 
Fonte: Wikipedia". 
Então com base em pesquisas científicas a respeito do tema a OMS (Organização Mundial da Saúde) fez algumas recomendações sobre como o suicídio deve ser tratado em notícias, em filmes, séries, livros e qualquer outro tipo de mídia de forma a evitar que o Efeito Werther ocorra, algumas das principais recomendações são:
  • Não divulgar cartas de suicídio: ao veicular notícias sobre alguma pessoa que cometeu suicídio a OMS recomenda que não se divulgue o conteúdo do bilhete de suicídio da pessoa em questão (se houver). Isso porque o bilhete pode conter gatilhos que podem desencadear crises em outras pessoas que estão assistindo ou lendo o jornal. É claro que essa recomendação também se aplica à obras de ficção como livros, filmes ou séries e até músicas.
  • Não dar muitos detalhes sobre a forma como o suicídio foi realizado: a OMS desaconselha que sejam divulgados muitos detalhes sobre como o suicídio foi feito, no máximo deve-se fazer descrições vagas.
  • Procurar informar as pessoas sobre alternativas: informar as pessoas sobre tratamentos como psicoterapia ou acompanhamento médico e utilização de remédios. Também informar sobre canais de apoio como o CVV (Canal de Valorização da Vida) que existe aqui no Brasil em que as pessoas com ideação suicida podem ligar gratuitamente para o número 188 e receber apoio e aconselhamento gratuito feito por voluntários treinados. O CVV também possui atendimento via chat no site ou email.

Efeito Werther
Capa de Os treze porquês
(título original: Thirteen
Reasons Why - ano 2007)
Jay Asher. O livro inspirou
uma série de mesmo nome
produzida pela Netflix
Ao ler essas recomendações, muitos de vocês devem ter lembrado da polêmica série 13 Reasons Why da Netflix que é uma adaptação de um livro de mesmo nome (Futuramente eu pretendo fazer uma resenha sobre a série e o livro, que eu tenho.

Está na minha lista de "To-Do"). O livro e a série não seguem essas recomendação porque eles são praticamente uma carta de de suicídio de mais de 200 páginas (ou 13 episódios no caso da primeira temporada da série que teve uma segunda e depois foi renovada para uma terceira), no caso da personagem Hannah Baker que se matou e deixou fitas cassete antigas com gravações sobre pessoas que ela considera serem os "porquês" da sua decisão (ao todo são 13 lados porque cada fita permite gravar dois lados).

Além disso a série e o livro também dão detalhes sobre o suicídio de Hannah que podem incentivar os leitores/telespectadores. No caso da série a coisa é mais grave por ser visual e além disso tem a cena do suicídio que é simplesmente perturbadora...

Também existem outras questões problemáticas sobre suicídio e saúde mental nessa série, mas que pretendo abordar na resenha que farei para ela (será uma resenha tanto sobre a série quanto sobre o livro).


Por esses motivos essa série também não é indicada para pessoas que estão passando por esses problemas, ela pode provocar o Efeito Werther. A Netflix recebeu muitas críticas de profissionais de saúde mental, psicólogos, psiquiatras e até ativistas e a partir da segunda temporada eles foram mais responsáveis incluindo vídeos do elenco dando explicações sobre suicídio e depressão e dizendo que a série não é voltada para pessoas que estão passando por tais problemas, também passam informações sobre como buscar ajuda e a Netflix fez um site também sobre isso (cujo endereço é divulgado nos episódios). 

Outra obra que causou o Efeito Werther é a música Adam's Song da banda estadunidense Blink 182 que eu gosto muito, diga-se de passagem (tanto da banda, quanto da música). Existem teorias na internet de que a carta teria sido escrita para um fã chamado Adam que teria se matado e os pais enviaram o bilhete de suicídio dele para os membros da banda que se inspiraram nele para escrever a letra, mas colocaram versos positivos no final em que Adam teria sobrevivido.

Não se sabe ao certo se essa história é verdadeira, eu vi vários fansites e canais do YouTube de música falando sobre ela, mas não tem nenhuma fonte confiável que confirme essas informações, mas é uma música claramente que fala sobre passar por momentos de desesperança e desejar a morte...


Apesar de ter uma mensagem positiva no final da letra, ela é muito melancólica e ela acabou por gerar o Efeito Werther: um rapaz foi encontrado morto após ter cometido suicídio com a música tocando no modo repetição. A banda não apresenta mais essa música em seus shows alegando que não sentem que devem apresentá-la no momento apesar de a considerarem especial, será que foi por causa dessas polêmicas?

Clipe da música Adam's Song

Caso tenha interesse em saber a letra e a tradução da música clique aqui, mas tenha em mente que ela contém gatilhos, ok? É uma música muito bonita e é uma das minhas músicas preferidas.

O filme A Sala do Suicídio também não segue essas recomendações da OMS, então para algumas pessoas ele pode incentivar o suicídio. Eu cheguei a ter ideias e planos inspirados pelo filme, por exemplo.

Eu não acho que todas as obras devem seguir essas recomendações porque acredito que a arte deve ser livre, porém eu acho que as obras que não seguem devem sinalizar no começo do filme isso dizendo para pessoas que estão tendo ideação suicida, depressão ou algum outro transtorno mental não assistam ele.


Voltando ao filme - Resumindo o enredo (Sem spoilers)

A Sala do Suicídio - 2011
Dominik, jovem depressivo protagonista do longa.

O filme conta a história de Dominik Santorski (Jakub Gierszał), um jovem adulto de classe alta doce, sensível e melancólico (desde o começo do longa podemos perceber que ele possui um certo humor depressivo).

Ele passa a ser perseguido pelos seus colegas de escola que fazem brincadeiras com a sua suposta homossexualidade. Inicialmente um garoto fica dando em cima de Dominik apenas com o intuito de debochar dele e Dominik fica feliz porque pensa que o rapaz está se sentindo atraído por ele, até descobrir sua verdadeira intenção.

Tudo começa em uma festa com seus colegas em que uma das garotas revela que já teve uma experiência lésbica e para demonstrar beija outra garota do grupo na boca. Eles então desafiam Dominik a fazer o mesmo com um rapaz que estava lá chamado Aleksander (Bartosz Gelner) e então eles se beijam.

Cena do beijo em questão.

Aleksander é o garoto que passa a provocar Dominik fingindo estar dando em cima dele na escola e em um momento na aula de Judô os dois estão treinando e Dominik fica excitado por causa da fricção dos corpos e acaba por ejacular.

O rapaz percebe e debocha da situação fazendo Dominik ficar constrangido e abandonar a aula, ele liga para seu motorista desesperado e grita com ele pedindo para que ele o busque mais cedo.

No começo do filme Dominik comenta um vídeo na internet sobre automutilação e a pessoa que postou convida ele para participar uma espécie de chat e jogo virtual chamado A Sala do Suicídio. Esse jogo lembra simuladores de vida famosos como The Sims e Second Life e então parte do filme se passa dentro desse jogo em forma de animações 3D bem bonitas.

Os colegas de Dominik intensificam o bullying fazendo comentários e memes nas redes sociais debochando da sua sexualidade, incluindo o próprio Aleksander que comenta o episódio da ejaculação na aula de Judô. Eles divulgam um vídeo de teatrinho de sombras satirizando a atração de Dominik por Aleksander simulando atos sexuais e ele se sente humilhado e desolado.

Dominik gritando com seu motorista no celular


Dominik então começa a desenvolver um episódio depressivo e dentro de A Sala do Suicídio ele faz amizades virtuais com outras pessoas, principalmente Sylwia (Roma Gąsiorowska), uma garota depressiva com vários desejos suicidas que acaba por dar conselhos ruins a ele que intensificam seu quadro, um deles é que Dominik não precisaria mais sair de casa e ir para a escola, sequer de seu quarto.

Sylwia revela que ela não saia de casa há 3 anos. Acreditem, isso acontece muito com pessoas depressivas, conheci gente nessas situações, inclusive que nem sequer saiam da cama e até desenvolveram problemas de saúde por ficarem sempre na mesma posição. Ele segue o conselho de Sylwia e passa a faltar na escola e a ficar trancado no seu quarto 24h por dia por vários dias e seus país nem sequer percebem porque são muito ausentes.

Avatares de Dominik e Sylwia no jogo.
Avates de Dominik e Sylwia dentro do jogo A Sala do Suicídio.

Entendendo a Depressão

Pintura de Vincent Van Gogh
Velho Triste ("No Portão da Eternidade"), 1890
Pintura de Vincent Van Gogh

Dominik sofre de depressão e está passando por um episódio de depressivo agudo e grave, ele chega a receber esse diagnóstico de uma psiquiatra no decorrer do filme, então para compreender melhor isso vou explicar um pouco do que se trata esse transtorno mental.

Depressão é o transtorno de humor mais comum do mundo, segundo a OMS cerca de 4,4% das pessoas no mundo possuem algum transtorno depressivo sendo que o Brasil é o país mais depressivo da América Latina.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, depressão não é apenas tristeza, vai muito, além disso, às vezes ela nem é acompanhada disso e sim de apatia (varia de quadro para quadro). Para uma pessoa ser diagnosticada ela precisa apresentar uma certa quantidade de sintomas e é necessário avaliar se o período que ela vem apresentando esses sintomas estão relacionada com algum acontecimento de sua vida de forma proporcional.

Por exemplo, uma pessoa ao perder um familiar ou ao acontecer alguma coisa muito ruim na vida dela, como o fim de um relacionamento, pode vivenciar um episódio de luto que é muito similar à depressão. A principal diferença é que o luto tem um prazo dependendo da gravidade do acontecimento.

A morte de um filho pode fazer uma mãe vivenciar um luto de muitos meses, por exemplo. Porém, ela tende a sair dessa fase com o passar do tempo, sem necessariamente recorrer à ajuda médica ou psicoterapêutica (apesar que psicoterapia é sempre indicado). E mesmo que a dor daquela perda a acompanhe pelo resto da vida, ela não vai ficar incapacitada de trabalhar, comer, tomar banho e se higienizar, cuidar da casa, etc.

Já a depressão não necessariamente é desencadeada por um acontecimento em específico e mesmo quando o episódio depressivo é iniciado por um ou algum gatilho ele não vai embora com o tempo como acontece no luto. Muito pelo contrário, a pessoa entra em um ciclo e não consegue sair. Muitas vezes deve fazer um tratamento que pode incluir medicamentos.

Existem vários tipos de depressão também: existe o Episódio Depressivo, Transtorno Depressivo Maior e o Transtorno Depressivo Recorrente que são os principais e vou falar mais deles aqui nesse texto. Também existem outros transtornos de humor que são caracterizados por episódios depressivos como o Transtorno Afetivo Bipolar e a Ciclotimia.

Pintura de Edvard Munch - 1893
O Grito - Edvard Munch, 1893.

  • Episódio Depressivo: é quando a pessoa possuí um episódio isolado em sua vida. Geralmente são agudos, com sintomas mais intensos e graves, porém com o tratamento a pessoa supera o quadro e não apresenta mais episódios. Porém, não se sabe se ela está curada porque a ciência  tem um consenso sobre cura da depressão e de alguns transtornos mentais;
  • Transtorno Depressivo Maior: a pessoa já apresentou mais de um episódio depressivo na vida dela de moderados a graves e o TDM (Transtorno Depressivo Maior) ou DDM (Distúrbio Depressivo Maior) pode ter fases assintomáticas ou não. Algumas pessoas podem ter períodos em que não ficam deprimidas entre as crises e esses períodos podem durar até anos. Antigamente o TDM era considerado uma das variações da Psicose Maníaco-Depressiva que englobava pessoas com depressão unipolar e pessoas com bipolaridade. Essas condições foram separadas em diagnósticos diferentes posteriormente. Um dos motivos é porque o tratamento medicamentoso para a bipolaridade é diferente;
  • Transtorno Depressivo Recorrente: quando a pessoa fica depressiva de forma praticamente permanente por períodos longos, podem ser anos. Esse diagnóstico incorporou o que antigamente era chamado de Transtorno Depressivo Maior Crônico e a Distimia porque não há evidências de diferenças entre essas duas condições, apenas a intensidade dos sintomas. No entanto, o termo "distimia" ainda continua sendo utilizado de forma informal e ela seria o Transtorno Depressivo Recorrente com sintomas mais leves, mas duradouros. Geralmente a distimia se manifesta como mau humor crônico e irritabilidade, mas ela é menos incapacitante;
  • Transtorno Afetivo Bipolar e Ciclotimia: a bipolaridade é uma doença que se caracteriza por tanto episódios de depressão, quanto episódios de euforia e também episódios mistos. A Ciclotimia é um transtorno de humor parecido com a Bipolaridade, porém os episódios duram menos. Geralmente algumas semanas e na maioria das vezes são menos graves. Eu não vou discorrer muito sobre a bipolaridade aqui porque a doença tratada no filme é a depressão unipolar e eu ainda pretendo fazer resenhas de filmes que falam sobre TAB, aí nessas ocasiões eu falo sobre ela.
Esses são os principais tipos de depressão e transtorno de humor, mas existem vários. Existe inclusive o transtorno esquizoafetivo que é uma espécie de junção de bipolaridade e esquizofrenia 😳. Alguns sintomas de depressão:

Alguns sintomas de depressão.


  • Desânimo e apatia: uns dos principais sintomas da depressão. A pessoa começa a perder o interesse e motivação por tudo, inclusive atividades que antes ela considerava prazerosas, parece que tudo perde a graça e nada mais pode gerar prazer ou felicidade. Quando tive depressão em alguns momentos da minha vida perdi o interesse em jogar videogame, que é uma dos meus oassatempos preferidos, eu não tinha motivação para fazer nenhuma atividade de lazer, eu só ficava na minha cama. Uma analogia que faço é como se a vida se transformasse em um grande prato de arroz branco sem sal nem temperos.
  • Tristeza e crises de choro: algumas pessoas podem se sentir tristes na maior parte do dia ou dos dias e até ter crises de choro. Tem gente que chega a ficar minutos e até mesmo horas chorando;
  • Sensibilidade e/ou irritabilidade: algumas pessoas podem ficar extremamente sensíveis, ou seja, elas se magoar ou ficar tristes por coisas que às vezes são interpretadas como pequenas para as outras pessoas. Uma palavra ou gesto. Também pode existir irritabilidade, ataques de raiva ou perda de paciência, mau-humor. Quando adulto eu não manifestei esse sintoma da irritabilidade, mas quando eu era criança e adolescente eu manifestava muito, eu inclusive chegava a descontar a raiva quebrando coisas em casa e eu ficava gritando o dia inteiro, eu gritava tanto que eu ficava com dores de cabeça;
  • Alterações no sono: seus horários começam a ficar meio malucos, você já não dorme a noite toda, insônia é bem comum, assim como hipersônia. Algumas pessoas sentem sono de mais, outras de menos;
  • Alterações no apetite: você perde a fome e passa a comer menos, pula refeições. Também pode acontecer o contrário e você comer demais e desenvolver uma compulsão por comida. Essas alterações no apetite muitas vezes desencadeiam mudanças repentinas na balança, algumas pessoas engordam ou emagrecem em muito pouco tempo;
  • Alterações na libido: você perde totalmente a vontade de fazer sexo ou nem sequer de se masturbar. Pessoas bipolares, no entanto, podem ter aumento de libido nas fases eufóricas ou mistas. As pessoas também podem ter aumento de libido devido à ansiedade;
  • Ansiedade: essa bendita é uma amiga inseparável da depressão, onde uma vai a outra também. O que é ansiedade? Basicamente é um medo do futuro ou de não ter controle sobre as coisas. É um sentimento humano normal, mas se torna uma patologia quando ela é muito alta, desproporcional e causa prejuízos na vida da pessoa. Ela também pode gerar sintomas físicos como taquicardia, náuseas, respiração acelerada e sensação de falta de ar, tremedeiras, entre outros. Um sintoma que acho muito desagradável são os enjoos, quando estou muito ansioso sinto uma ânsia de vômito muito forte e eu já cheguei a vomitar mesmo em crises de ansiedade. Horrível. Dependendo da intensidade da ansiedade e das crises pode-se cogitar que além da depressão a pessoa também tenha algum transtorno como comorbidade (doenças derivadas). A ansiedade está relacionada com o desenvolvimento de algumas doenças gástricas como a gastrite nervosa;
  • Falta de energia: não importa o quanto você durma, você continua cansado e pequenas tarefas parecem consumir toda sua disposição. Coisas bobas e corriqueiras como cozinhar se tornam um sofrimento. Por conta disso pessoas muitas vezes tem dificuldades no trabalho, tem quedas de produtividade ou chegam a faltar;
  • Psicossomatização: é quando você começa a ter sintomas físicos como dores e outros que são de origem psicológica. Dores musculares que vocês exames e nunca aparece nenhuma alteração? Pode ser uma dor psicossomática;
  • Pânico: ataques de pânico são tipos de crises de ansiedade mais agudas e intensas. Eles duram em média 15 min e ele podem ter todos os sintomas de um infarto. Tirando que ninguém morre apenas de crises de pânico a não ser que a pessoa também tenha algum problema de saúde também. Porém, a sensação é de desespero e de morte. Ter ataques de pânico não significa necessariamente que a pessoa tenha Síndrome do Pânico, mas se eles forem muito frequentes e ocorrerem de formas imprevisíveis a pessoa pode ter esse diagnóstico também. É uma das comorbidades mais comuns da depressão;
  • Ideação suicida ou pensamentos frequentes sobre morte: pode ser com ou sem planejamento. A pessoa pode vir a tentar, mas parte das pessoas tem apenas pensamentos recorrentes de morte sem necessariamente terem vontade de tirarem a própria vida. Quase todo mundo já pensou em morte ou na possibilidade de se matar na vida, acontece que em pessoas depressivas isso ocorre com uma frequência e intensidade maiores;
  • Automutilação com ou sem finalidade de suicídio: quando uma pessoa se corta não necessariamente está tentando acabar com a própria vida. Às vezes está se punindo ou descontando sua raiva e agressividade em si mesma. Também existem pessoas que se cortam porque o corpo libera substâncias que fazem você se sentir melhor para aliviar a dor física. Isso faz com que as pessoas se sintam melhores e por alguns instantes se esqueçam da dor emocional. Automutilação não é apenas se cortar, existem pessoas que se batem com chicotes e outras coisas. Existem, também, pessoas que fazem automutilação de forma inconsciente como se arranhando enquanto dormem, arrancando fios de cabelo o tempo inteiro ou mordendo os próprios lábios até sangrar;
  • Sentimentos de culpa: outro dos mais comuns, a pessoa se culpa por coisas que aconteceram no passado como a morte de alguém querido ou o fim de um relacionamento. Ela também se culpa por estar deprimida e se sente um peso para as outras pessoas, por conta disso ela pode buscar se isolar;
Ufa, muitos sintomas, né? E se eu te falar que existem mais trocentos deles? Não é necessário ter todos os sintomas para se enquadrar como depressivo. O número de sintomas e a duração varia de acordo com o tipo e o quadro. Como a quantidade de sintomas é muito variada, pessoas depressivas com o mesmo diagnóstico podem ter quadros muito diferentes umas das outras.


A depressão também pode ter sintomas psicóticos como delírios e alucinações, depende do quadro. Os medicamentos que são utilizados para o tratamento são principalmente os antidepressivos, mas também podem ser utilizados ansiolíticos, antipsicóticos e até estabilizadores de humor (alguns tem benefícios mesmo em pessoas que não são bipolares, o lítio, por exemplo, pode ser utilizado para potencializar antidepressivos e ele também tem como efeito reduzir pensamentos suicidas).

Pessoas com depressão unipolar não precisam necessariamente de tomar estabilizadores de humor e antipsicóticos, às vezes só um antidepressivo é suficiente, enquanto pessoas bipolares só podem tomar antidepressivos se eles forem acompanhados de outros remédios estabilizadores de humor e/ou antipsicóticos e alguns bipolares sequer podem tomar antidepressivos tendo que tomar alguns estabilizadores de humor específicos que também ajudam na depressão.

A depressão pode ser endógena, que consiste em ter causas genéticas/hereditárias ou biológicas e químicas ou pode ser exógena que consiste em ter causas ambientais e psicológicas, porém na esmagadora maioria das vezes as causas são multifatoriais, ou seja, é uma combinação de todas essas coisas aí. Por isso o tratamento mais indicado é uma combinação de remédios com psicoterapia.

Entrevista do psiquiatra Dr. Diego Tavares, especialista em Bipolaridade, Depressão
e outros transtornos do humor com o Prof. Dr. Ricado Moreno sobre Depressão.

O ciclo da depressão: os sintomas agravam o quadro

Leucócitos, glóbulos brancos.
Leucócitos/Glóbulos brancos
células que defendem nosso corpo


Você sabia que os sintomas de uma doença muitas vezes, na verdade são indicativos que o seu corpo está enfrentando ela?

Exemplo: quando estamos com febre é porque o corpo está elevando a temperatura para vencer a infecção, ou quando estamos com alguma ferida inflamada e ela tem pus. Ele é formado por glóbulos brancos lutando contra as bactérias que estão te deixando doente que vão se acumulando no local da inflamação.

Então os sintomas de certa forma contribuem para a melhora da doença, não é? Claro que tem doenças que o seu corpo não consegue combater sozinho, mas penso que deu para entender o que estou querendo dizer.

Com os transtornos mentais e a depressão não é assim que funciona, os sintomas não tem como consequência a melhora dela, pelo contrário, eles vão agravando o quadro cada vez mais fazendo a pessoa entrar em um ciclo até chegar no fundo do poço.

Sexualidade de Dominik

Dominik beijando busto
Dominik beijando busto ao assumir sua sexualidade
para os seus pais.

A sexualidade de Dominik é uma das questões importantes no final e que contribuíram para o agravamento do seu quadro. Primeiro por conta do bullying que ele sofre na escola, segundo porque ao contar para seus pais a sua sexualidade eles não aceitam bem, eles pensam que ele está fazendo isso para chamar atenção, que é "moda"...

Mas vemos que Domink não escolheu se sentir atraído por garotos e ser humilhado no colégio pelos seus colegas, não é mesmo?

Além disso, não fica muito claro no decorrer do filme se ele é homossexual ou bissexual porque primeiro ele chega a dizer que é gay e que não se atrai por mulheres, mas ele acaba se atraindo pela Sylwia e em um momento fala que gostaria de ficar com ela.

A verdade é que a sexualidade humana está mais para um degradê do que para rótulos fixos, existem pessoas que são predominantemente heterossexuais a vida inteira, mas em algum momento elas se sentem ou se sentiram atraídas por alguém do mesmo gênero e vice-versa. Talvez Dominik seja um rapaz predominantemente homossexual, mas que se sentiu atraído por uma mulher.

Existe uma cena do filme que eu me identifiquei muito que é quando a mãe de Dominik fala: "Você vai começar a usar maquiagem também?", vocês acreditam que os meus pais chegaram a falar a mesma coisa para mim? 😱

Quando eu era adolescente eu gostava muito de algumas bandas de rock (na verdade, ainda gosto), entre elas Green Day, My Chemical Romance e Thrid Seconds to Mars e os vocalistas delas costumavam usar maquiagem nos olhos. Desde lápis de olho a delineadores e sombra. Eu achava muito bonito e queria adotar esse estilo para mim, mas eu não tinha muita coragem por causa do machismo do mundo.

Porém, eu nunca tive desejo de vestir roupas femininas, nem nada, eu não queria usar maquiagem para ficar feminino, eu queria porque eu achava bonito em homens mesmo. Então tomei coragem e resolvi experimentar. Quando meus pais me viram andando com lápis de olho eles ficaram bem incomodados e falaram essa frase aí... Com o tempo eles se acostumaram.

Vocalista do Green Day
Billie Joe - Vocalista da banda
Green Day que utiliza lápis
nos olhos.
Hoje eu não gosto tanto de usar lápis de olhos. Eu ainda acho lindo em homens, mas eu não combina muito comigo atualmente. Deve ser por causa do formato dos meus olhos, sei lá 😂😂😂. Só que de vez em quando ainda uso. Eu postaria uma foto minha aqui para vocês julgarem, mas aí acabaria com o anonimato do blog.

Também tenho o estilo parecido com o do Dominiki, cabelo liso castanho escuro com franjão e um formato do rosto parecido, mas ele é bem mais branco e eu sou mais magro e alto (eu acho né, porque ele não parece ser tão alto quanto eu no filme).




Você acha que nunca vai sentir prazer ou felicidade novamente

Dementador se alimentando de Harry - Depressão
Dementador se alimentando de Harry Potter. Fanart inspirado em uma cena dos filmes.
Imagem retirada da comunidade de Harry Potter no Amino, não havia créditos.

Sabe a famosa escritora JK Rowling, autora da série Harry Potter? Ela já sofreu com depressão e ideação suicida e ela colocou algumas referências a isso nos livros, os monstros dementadores que já foram utilizados como guardas da prisão de Azkaban (prisão para criminosos bruxos perigosos) são inspirados na Depressão. Os dementadores se alimentam da felicidade humana:
"Os dementadores estão entre as criaturas mais malignas que vagam pela Terra. Infestam os lugares mais escuros e imundos, se comprazem com a decomposição e o desespero, esgotam a paz, a esperança e a felicidade do ar à sua volta. Até os trouxas sentem a presença deles, embora não podem vê-los. Chegue muito perto de um dementador e todo bom sentimento, toda lembrança feliz serão sugados de você. Se puder, o dementador se alimentará de você o tempo suficiente para transformá-lo em um semelhante…desalmado e mau. Não deixara nada em você exceto as piores experiências de sua vida."
- Harry Potter e o Prisioneiro de Azkacan 

O Professor Lupin dá chocolate ao Harry após ele ser atacado pelo dementador, isso também é uma referência à experiência pessoal da autora com a depressão porque é um alimento que libera serotonina e causa uma sensação de bem estar e felicidade ao ser ingerido. JK Rowling comia um pouquinho de chocolate quando estava deprimida.

[Atenção: não coma chocolate em excesso porque além de fazer mal para a saúde por ser gorduroso ele também possuí cafeína que em excesso pode desencadear crises de ansiedade.]

JK Rowling chegou a dizer que quando estava deprimida ela achava que nunca mais se sentiria feliz outra vez....

Esse tipo de sentimento que a depressão causa é muito bem retratado no filme A Sala do Suicídio, Dominik se sente desesperado porque não consegue sentir prazer ou felicidade, apenas desespero e um vazio profundo. Os amigos virtuais do jogo/chat fazem companhia e de certa forma trazem algum conforto apesar de até certo ponto serem amizades tóxicas (no caso da Sylwia).


Eu nunca assisti um filme ou série que trate de depressão que tenha retratado de uma forma tão fiel como é a sensação de estar deprimido. Eu acho que até quem nunca sentiu depressão na vida pode acabar tendo um melhor entendimento sobre a doença se assistir e até mesmo ficou mal e reflexivo por uns dias, mas como eu falei lá em cima: isso também é uma coisa que pode fazer mal para algumas pessoas porque o filme cutuca as suas feridas.

Eu confesso que enquanto eu estava escrevendo esse texto eu cheguei a me emocionar em alguns momentos e eu considero que eu sou uma pessoa com condições psicológicas para escrever e falar do filme, apesar de ter transtornos mentais e já ter tido ideação suicida.


Depressão não tem classe social e não se mede sofrimento psíquico

Personagem da série Ursinho Pooh que segundo algumas teorias representa a depressão.
Ió/Eeyeore - Personagem da série O Ursinho Pooh que segundo algumas
teorias representa a Depressão.


Transtornos mentais, assim como muitas doenças, não tem classe social. Você pode ser a pessoa mais rica e bem sucedida do mundo e mesmo assim entrar em depressão. Aliás, você pode ter absolutamente tudo: dinheiro, amigos, família, uma carreira e mesmo assim entrar em depressão. É por isso que a depressão é uma doença.

Dominik é um rapaz de classe alta, seus pais são ricos. O filme se passa na Polônia que é um país de primeiro mundo, mesmo assim ele desenvolveu esse quadro depressivo gravíssimo. Muitas pessoas poderiam dizer: "Nossa, mas tem gente que é pobre e mora em favela e não tem depressão, penso que isso é ingratidão ou frescura" e isso é um pensamento bem ignorante mesmo.

Os próprios pais do Dominik chegam a reproduzir esse tipo de pensamento, eles dizem que ele é mimado e eles dão tudo para ele e portanto, ele não deveria ficar assim, que é como se fosse ingratidão.

Outra coisa que é importante mencionar é que as coisas afetam as pessoas de formas diferentes, algo que pode ser boba para uma pessoa é capaz de derrubar outra. É péssimo quando alguém diz: "Ah, mas fulano se abateu com isso? Que bobagem!" fazendo pouco caso do sofrimento de alguém que sofre com a condição!

Outro dia eu assisti um vídeo que viralizou no Facebook de duas garotas desabafando sobre a pressão da época do vestibular, no entanto, elas eram de classe alta e elas tinham condições de bancar as melhores faculdades do país e fazer cursinhos também.

No video em questão elas acabavam chorando e isso fez com que o vídeo fosse parar em páginas de humor tipo White People's Problems (que eu gosto muito, acho bem divertida, apesar de não ter achado esse).

O vídeo em questão.


As pessoas debochavam porque, teoricamentem essas meninas tem tudo que 99% dos brasileiros não tem, quem tem condições de pagar a faculdade de que quiser? Uma delas não trabalha, apenas estuda também, o que é um privilégio.

A questão é que as pessoas são afetadas pelas coisas de formas diferentes, alguém pode ser super pobre, passar por dificuldades absurdas na vida e nunca desenvolver depressão, enquanto uma outra pode ser milionária e desenvolver um quadro grave.

Não penso que julgar as motivações para essas garotas se sentirem tristes algo legal, por mais que para pessoas menos favorecidas esse vídeo cause até alguma revolta: "Nossa, elas tão reclamando por estudar?" diz um dos comentários no YouTube... 😐

Pessoas podem entrar em depressão por motivos diversos, às vezes uma pessoa regredir de classe social, por exemplo, um rico se tornar pobre ou cidadão médio, pode fazer com que ele desencadeie um quadre depressivo. Aí vocês pensam: "Nossa, mas tem gente que é pobre a vida toda e não se deixa abater", realmente, mas como falei as pessoas se afetam de formas diferentes pelas coisas.

Dominik era rico, mas sofria bullying por ser LGBT+, seus pais não aceitavam a sua sexualidade e eles eram ausentes e negligentes. Às vezes dinheiro não é tudo, aliás, nunca é. Será que ele realmente tinha todas as coisas? Para refletir…

Tristeza X Depressão - Principais diferenças e alguns equívocos que costumam ser propagados

Divertidamente (Inside Out) - Disney Pixar - 2015
Personagem Tristeza do filme Divertidamente (Inside Out)
de 2015 da Disney Pixar.

Existem alguns infográficos na internet que comparam a depressão com a tristeza e entre as diferenças mencionadas estão:
"A tristeza tem um motivo, a pessoa sabe porque está triste.

"A depressão não tem um motivo."
Essa informação é falsa, ou pelo menos incompleta e fico chocado que eu já vi psicólogos compartilhando isso.

A pessoa sempre sabe o motivo pelo qual está triste? Não, muitas vezes a pessoa pode estar reprimindo as coisas da sua tristeza ou estar em negação e nesses casos não sabe e não tem consciência do porquê está triste.

A afirmação correta seria de que a tristeza sempre possui um motivo relacionado à algum acontecimento que a pessoa passou ou situação que ela esteja vivendo, mas não significa que ela sempre saiba disso.

A outra afirmação também é falsa, muitas vezes a depressão é iniciada após um evento traumático ou às vezes ela não está relacionada com um isoladamente, mas com várias situações vividas pela pessoa no decorrer da vida. Existe inclusive a depressão exógena que é causada por fatores ambientais externos e psicológicos, ou seja, possuí sim motivos que podem até ser bem claros para a pessoa. A afirmação mais correta ou completa seria de que a depressão não necessariamente depende de um motivo para existir, enquanto a tristeza sempre tem, agora a pessoa deprimida ou triste ter consciência desses motivos é outra história.

Outra diferença é que a tristeza passa naturalmente, enquanto a depressão pode ser um estado em que a pessoa não consegue sair sem ajuda profissional e durar de forma desproporcional ao evento traumático que talvez tenha servido de gatilho para seu desenvolvimento.

Exemplo: uma pessoa que perdeu um familiar pode sofrer com tristeza e luto por alguns meses, dependendo de quanto ele era importante para ela. Porém, se isso se estende por um ano inteiro ou por anos acompanhado de prejuízos na vida e daqueles sintomas que mencionei lá em cima, então ela não está apenas em luto, está com depressão, ou seja, está doente e precisa de ajuda médica e psicológica.

Mitos sobre depressão e suicídio

Vou listar alguns mitos senso comum que as pessoas tem sobre depressão e suicídio:
  • Pessoas deprimidas não querem melhorar? Mito. Elas querem sair da depressão, mas não conseguem e muitas vezes elas acabam cometendo suicídio para pararem de sofrer. Dentro da teoria psicanalítica existe o conceito de pulsão de morte que é postulado por Sigmund Freud como uma explicação de porque às vezes a análise pode ser ineficaz. Ele acredita que todos temos pulsão de vida e de morte. A de vida é o nosso lado saudável e construtivo, e Freud diz que está relacionada com uma energia que ele nomeia como libido. Já a pulsão de morte é o nosso lado destrutivo, o que se entrega para a depressão, que procrastina e abandona as coisas e que acredita que não vale a pena se esforçar para melhorar. Segundo Freud, a pulsão de morte também possuí uma energia, porém, ele não deu um nome a ela. Pessoas depressivas estão tomadas quase completamente pela pulsão de morte, mas é errado falar que a pessoa está assim porque quer. Ela não escolheu estar deprimida e não consegue simplesmente escolher sair da depressão, ela precisa de ajuda profissional para isso. Uma breve explicação sobre pulsão de vida e morte:
"A concepção que a maioria das pessoas tem sobre a libido é muito reduzida, restringindo o termo à sua interpretação sexual. No entanto, a definição da libido segundo Sigmund Freud, pai da psicanálise, é muito diferente. Referindo-se à libido, ele falou de um conceito muito mais amplo e que vai além do que conhecemos atualmente.


Freud definiu como libido aquela energia que provém das pulsões ou instintos e que afeta nosso comportamento, direcionando-o. Diante disso, ele diferenciou dois tipos de pulsões: a pulsão de vida e a pulsão de morte.

A pulsão da vida se referia a todos aqueles impulsos que têm a ver com sentimentos ou emoções. Aqueles que nos convidam a nos apaixonarmos e nos reproduzirmos, a nos conectarmos com outras pessoas. Freud disse que isso poderia estar associado ao que ele definiu como “Ego” e “Id”, dois termos que explicaremos mais adiante.

Por outro lado, temos a pulsão de morte entendida como aquele que se opõe à vida ou que implica algum desgaste para a mesma. Aqui nos encontramos com aqueles padrões de repetição que nos convidam a tropeçar sobre a mesma pedra. Isso ficaria caracterizado, por exemplo, quando nos apaixonamos pelo mesmo tipo de pessoas que acabam nos prejudicando.

  • "Pessoas suicidas estão no seu direito de tirar a própria vida". Não é bem assim, a maioria das pessoas que cometem suicídio estão com seu juízo e discernimento comprometidos e não estão em condições de fazer escolhas desse tipo. Existe o suicídio assistido que é permitido em alguns países, mas ele é bem diferente, para que a pessoa cometa é preciso que ela tenha alguma condição de saúde que gere muito sofrimento e que não tenha cura. Também é preciso que ela passe por avaliações de profissionais médicos e psicólogos. O suicídio assistido é uma forma de poder morrer de um jeito mais pacífico e menos doloroso e nesse caso é avaliado se a pessoa tem condições psicológicas de tomar a decisão de pôr fim à própria vida;
  • "Fulano tentou se matar para chamar a atenção". Muitas pessoas reproduzem essa frase para deslegitimar o sofrimento de uma pessoa que tentou suicídio rotulando o ato como tolice ou burrice. A maioria das pessoas não tenta suicídio para chamar atenção e mesmo quando a tentativa tem esse objetivo isso não significa que o sofrimento da pessoa deva ser deixado ignorado. Para alguém fazer isso para chamar a atenção, deve possuir sérios problemas psicológicos, de autoestima e falta de amor por si mesmo. Muitas pessoas que fazem isso podem ter personalidade borderline, inclusive, que é um transtorno muito sério;


[Atenção: desse ponto em diante o texto contém spoilers (revelações do enredo do filme). Se você não assistiu ainda, pretende assistir e não quer estragar a sua surpresa, não continue. Volte aqui depois, ou continue caso você não se importe.]

Agorafobia em Dominik e Sylwia

Breve explicação sobre o que é agorafobia.

Agorafobia é um transtorno ou sintoma em que a pessoa evita sair de casa para não passar por situações desagradáveis, sofrimentos ou constrangimentos. Geralmente é uma comorbidade de outros transtornos sendo o mais comum deles a Síndrome do Pânico. A pessoa passa a evitar sair de casa com medo de ter ataques de pânico, não só por causa do sofrimento gerado por eles, mas também por causa de possíveis constrangimentos quando as pessoas percebem o que está acontecendo.

No filme Sylwia, a nova amiga virtual de Dominik sofre com agorafobia e já está há 3 anos sem sair de casa. Influenciada por ela, Dominik também passa a se isolar dentro do quarto. Ele falta na escola 10 dias consecutivos sem que os seus pais percebam. Eles só ficam sabendo porque Dominik tenta suicídio e vai parar em um hospital psiquiátrico e a empregada chama ajuda.

Relação entre Síndrome do Pânico e Agorafobia
Explicação da Psiquiatra Dra. Maria Fernanda Caliani.

Algumas pessoas chamam a Agorafobia de medo de ter medo. Já viu aquela frase: "minha ansiedade tem ansiedade", é bem isso...

A amizade tóxica de Dominik e Sylwia

Dominik conversando com Sylwia por videochamada
Dominik conversando com Sylwia pela webcam.

Se por um lado a amizade de Dominik e Sylwia é positiva faz com que ele se sinta compreendido e apoiado por alguém, por outro ela demonstra ser tóxica e provavelmente influenciou na piora do quadro.

A primeira influência negativa eu já mencionei logo acima: Sylwia influencia Dominik a ficar trancado no quarto e faltar no colégio, mas não para por aí.

Sylwia acaba influenciando Dominik a praticar automutilação e tentar suicídio porque ela fica mostrando cortes que ela mesma faz e compartilhando pensamentos suicidas que ela possui que acabam sendo gatilhos para ele. Isso culmina na tentativa de se matar que faz Dominik ser internado em um hospital psiquiátrico.

Sylwia também faz chantagens emocionais e usa Dominik. Ela tem o desejo de cometer suicídio e quer que ele a ajude com isso. Pede que ele consiga que sua psiquiatra prescreva remédios para ele dar para ela consumar o ato utilizando eles.

Dominik não quer fazer isso, mas ela ameaça abandoná-lo e excluí-lo dos seus últimos momentos de vida…


A perturbadora cena do suicídio de Dominik

[Atenção: vou descrever como ocorre o suicídio de Dominik nessa parte do texto e isso pode sim causar o Efeito Werther e fazer pessoas terem a ideia de se matarem da mesma forma. Se você está passando por crises de depressão e possuí ideação suicida ou pensamentos de morte, não prossiga com a leitura, ok? Tampouco assista esse filme!]

No final do filme , temos uma cena extremamente forte e perturbadora de Dominik se matando e agonizando até a morte. É simplesmente horrível, não vou colocar qualquer imagem ou vídeo para não correr o risco que vocês vejam por acidente… 😰😰😰

Dominik vai encontrar Sylwia em uma boate para entregá-la os comprimidos que conseguiu da psiquiatra, como ela havia lhe pedido, porém, ele não a encontra e ao ir ao banheiro acaba tendo a ideia de ingerir ele mesmo os medicamentos. Sabemos que ingerir muitos comprimidos de um remédio pode ser fatal e para piorar Dominik havia ingerido também bebidas alcoólicas.

Inicialmente ele começa a delirar, mas depois conforme a droga vai fazendo efeito ele passa a agonizar e chamar pelos seus pais. Um casal que estava dentro do banheiro em que Dominik estava grava seus últimos momentos e posteriormente esse vídeo vai parar na internet.

Essa cena me afetou muito porque quando eu assisti a primeira vez eu estava passando por uma crise depressiva muito forte, passei a pensar em me matar da mesma forma que Dominik.

Eu não bebo, porém, uns amigos meus tinham dado uma festa no meu apartamento uma vez e eles compraram bebidas alcoólicas e acabou sobrando uma garrafa que ficou na geladeira, então pensei em usar ela.

Cheguei a separar a garrafa e os comprimidos e postei uma imagem deles no Facebook com uma mensagem bem pesada, quase um pedido de socorro. Quando eu estava com os comprimidos e a garrafa nas mãos um amigo meu me ligou preocupado e ficou conversando comigo a noite toda. Chorei muito, mas acabei desistindo e o meu namorado jogou a garrafa da bebida fora (ainda bem).

Um tempo depois do ocorrido a mãe de Dominik decide entrar no jogo A Sala do Suicídio e avisar os amigos virtuais dele o que aconteceu. Sylwia entra em choque e fica muito triste com a notícia.


Concluindo

É um filme incrível, emocionante e muito instrutivo e educativo sobre depressão, mas ele não tem o objetivo de ajudar pessoas que estejam passando por esse problema nem oferecer alternativas. Ele apenas conta uma história triste e demonstra como é viver um episódio muito intenso e o que leva alguém a cometer suicídio.

Caso você seja teimoso e assista o filme assim mesmo, recomendo que depois busque informações na internet sobre tratamentos e sobre exemplos de pessoas que venceram a doença, ok?


[Filme] A Sala do Suicídio - 2011 (Resenha - spoilers sinalizados)
Salve no Pinterest!





Comentários

  1. Olá tudo bem ? A temática é um assunto a ser debatido , estudado , pois a depressão não é brincadeira. A indicação suicida é presente nesses casos e o filme serve como um alerta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, eu acredito que o filme demonstra muito bem como é estar com depressão.

      Excluir
  2. Olá
    Mais um texto incrível, luto com a ansiedade desde o 5 anos e nesses 30 já tive alguns episódios de depressão. E eu sou dessas que prefere não ver filmes/livros com temas de gatilho, pois realmente me deixa abalada por um tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Daniele!

      Muitos dos meus leitores são pessoas com problemas psicológicos, por isso sempre procuro colocar alertas de gatilhos em textos com questões delicadas. E o filme realmente tem algumas coisas perturbadoras.

      Apesar disso acho ele muito bom e ele retrata muito bem como uma pessoa depressiva se sente.

      Excluir
  3. Olá,

    Mais uma vez você faz um texto simplesmente incrível e que todos deveriam ler. Primeiramente, gostei bastante de você trazer o alerta de gatilhos no início, pois muitas pessoas ainda não conhecem o assunto. Tenho alguns gatilhos, mas sempre tento bater de frente com eles, mas cenas de suícidio ainda são o meu fraco. Nunca consegui ver a cena de "Os 13 porquês", por exemplo.
    Não conhecia o filme, mas por todo esse tom dele e os temas abordados, vou deixar passar a dica, pois não me sinto bem psicologicamente para assistir algo do gênero neste momento. Tenho passado por crises de ansiedade e pânico, então estou tentando não lidar com livros e filmes com estes temas.
    Parabéns pelo post, ficou muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse filme demonstra muito bem como é estar em um episódio de depressão severa, porém ele é pesadíssimo e pode fazer mal para quem tem algum problema psicológico do gênero.

      Eu assisti ele quando estava deprimido e não aconselho para ninguém. Comecei a ter todo tipo de pensamento e ideação horrível :O

      Obrigado por comentar!

      Sempre coloco esses avisos de gatilho em publicações de assuntos delicados.

      Excluir
  4. Poucas vezes li um post tão completo e responsável sobre essa temática. Mas do que resenha o filme, vc deu uma verdadeira aula sobre depressão, todas as suas nuances e possíveis consequências. Muito bom tb vc ter mencionado a questão dos gatilhos, bastante responsável da tua parte. Só por isso vc merece parabéns!
    Post incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Malu! Muito obrigado!

      A maioria das resenhas que eu faço no blog são assim, bem longas. Eu praticamente estudo os filmes (ou outras obras) kkk

      Fico feliz que você tenha gostado <3

      Excluir
  5. A tua resenha é de um filme extremamente pesado, e ao mesmo tempo atual, já que o suicídio tem aos poucos deixado de ser tabu e entrado nas rodas maternas como uma forma de proteger os nossos jovens. Felizmente a crença de que depressão se cura com porrada está se perdendo, é uma doença muito séria e exige cuidados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procuro contribuir com o que eu posso na conscientização sobre transtornos mentais. Fico feliz que você tenha gostado!

      Realmente o filme é bem pesado e perturbador, mas mostra a realidade de muitas pessoas. Acho muito produtivo para quem gosta de Psicologia.

      Excluir
  6. Adorei sua explicação sobre a depressão, é muito importante conscientizar as pessoas sobre isso. Não assisto filmes que tratam esse tema (ainda mais quando incluem suicídio) pelos gatilhos, achei bem legal você alertar antes. Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado!

      Realmente esse filme é muito pesado, então se você tem problemas com esses gatilhos não recomendo :(

      Obrigado por comentar <3

      Excluir
  7. Olá!

    Eu já ouvi falar desse filme, mas nunca tive coragem de assistir. Só o título já me deixa com o coração pesado.
    Acho super importante falar sobre suicídio, pois acredito que é falando sobre isso que a gente pode combatê-lo. Claro que, tudo tem o jeito certo de fazer, e gostei que você colocou as dicas da OMS para se falar sobre o assunto.
    Os temas que você trouxe para discussão são interessantes e dão muito o que falar, fora a importância de tudo isso para quem está passando por esses problemas.
    Adorei a matéria. Achei completa e informativa, com a responsabilidade social que todos nós temos. Parabéns!

    Grande beijo,
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Letícia!

      De certa forma todas as "resenhas" que eu faço no blog tem esse objetivo, seja conscientizar sobre questões de saúde mental, seja trazer alguma reflexão.

      Fico feliz que você tenha gostado! <3

      Excluir

Postar um comentário

Dica: clique em "notifique-me" para que você seja avisado(a) por e-mail quando eu responder seu comentário ❤