Por que bipolares tem resistência em seguir o tratamento? (Reflexão)

por que bipolares tem resistência em seguir o tratamento?


[Esse texto foi publicado originalmente na fanpage de Relatos de um Garoto de Outro Planeta no Facebook no dia 15 de dezembro de 2018. Fiz algumas melhorias nele e incluí fontes e imagens.

Obs: na época que o escrevi, eu estava eufórico, então tem alguns relatos meus a respeito disso decorrer da publicação. Não significa que é assim que eu esteja me sentindo atualmente.]

Tomar remédios psiquiátricos é muito chato. Além da chatice de você ter que se atentar a tomar os remédios corretamente todo dia, tem a de você ter que lidar com efeitos colaterais diversos desagradáveis e se você sobre com TAB (Transtorno Afetivo Bipolar) atualmente não existe como escapar disso.
(Imagem retirada da internet)

Isso é porque a Bipolaridade é um transtorno que necessita de ser tratado com medicamentos. Enquanto alguns outros transtornos mentais a pessoa às vezes só toma um antidepressivo e um ansiolítico, bipolares precisam de um número maior de medicamentos, ou seja, mais remédios para se atentar de tomar na hora certa e mais efeitos colaterais chatos.

Eu, por exemplo, tomo 4 medicamentos: 900mg de lítio (estabilizador de humor), 90mg de Duolexetina (antidepressivo) e 100mg de Quetiapina (antipsicótico e estabilizador de humor). Por fim Alprazolam de 0,5mg (ansiolítico) que tomo de 1 a dois comprimidos dependendo da necessidade, mas apenas em crises, não é um remédio de uso contínuo.

Leia também:

Siga nas redes sociais: 👍 Facebook | 💬 Twitter | 📷 Instagram | 📌 Pinterest
🔔 Seja um padrinho! Conheça minha campanha no Padrim

Pois, é, tudo isso, então tenho que lidar principalmente com os efeitos colaterais dos 3 medicamentos que são de uso contínuo. Além disso, tenho que fazer periodicamente exames de sangue para medir a quantidade de lítio que tenho no organismo (cerca de 2 em 2 meses). Por mais que eu seja tranquilo com essa coisa de tomar picadas de agulha, eu preferia não precisar fazer isso com tanta frequência. Esses remédios também comem boa parte do meu orçamento.

Remédios, medicamentos
(Imagem retirada do site Clipartmax)
Infelizmente não é possível que eu tenha qualidade de vida sem eles porque a doença fica sem controle e como eu já falei em outras publicações, a bipolaridade não tratada causa danos cerebrais.

Na verdade, todo transtorno mental não tratado corretamente causa, mas a Bipolaridade provoca mais danos do que a maioria dos outros transtornos porque as crises eufóricas são mais tóxicas ao cérebro causando perda de neurônios e redução do córtex pré-frontal. No longo prazo, um paciente bipolar não tratado pode acabar desenvolvendo uma psicose mais grave e até mesmo uma demência (coisa séria mesmo).

Além de que a psicoterapia acaba sendo ineficaz porque as inconstâncias de humor acabam impedindo que o paciente assimile as coisas que são elaboradas nela. Também existem pesquisas que relacionam a Bipolaridade com uma inflamação cerebral que ainda não se sabe se é a causa ou consequência do transtorno. Muitos pacientes não seguem o tratamento corretamente porque não sabem dessas consequências terríveis.


A instabilidade vicia?


Mas além dos efeitos colaterais que são desagradáveis, do preço dos remédios, da necessidade de disciplina para tomá-los e ao desconhecimento dos pacientes às consequências da Bipolaridade não tratada no decorrer dos anos, tem outro fator que faz com que boa parte dos bipolares sejam resistentes ao tratamento medicamentoso. Que faz com que eles precisem quebrar a cara algumas vezes com suas crises destruindo coisas na sua vida para poderem ter consciência da importância dos medicamentos. Esse fator é o vício na instabilidade.
Espectro extremo do humor.
(Emojis do Canva.com)
Basicamente nós bipolares lidamos com um espectro de humor bem mais intenso do que as outras pessoas tanto negativamente quanto positivamente. A tristeza é muito mais intensa, a alegria também, o mundo pode parecer extremamente cinza ou exageradamente colorido e apaixonante.

O problema é que espectro intenso do humor traz prejuízos para o portador, não só em questões físicas do cérebro mesmo como mencionei mais acima, porém, também na vida mesmo. Pessoas que sofrem com o transtorno tem maiores dificuldades de manter projetos, empregos, relacionamentos, faculdade, etc, porque ele é muito incapacitante.

Uma hora a pessoa é extremamente produtiva, de repente ela não tem mais energia para trabalhar. Uma hora ela está envolvida e apaixonada no relacionamento, de repente ela fica apática. Ela pode ficar tão empolgada e com uma libido tão alta que ela talvez seja infiel ao seu cônjuge e acabar com o próprio casamento. Ela também pode se endividar porque um dos sintomas possíveis é o descontrole financeiro.


Descontrole financeiro, compulsão por compras
(Imagem retirada do site Clipartmax)
As consequências são várias e variam de acordo com o paciente, eu já vivi várias delas, por exemplo, no decorrer da minha vida eu já comecei projetos empolgado e não consegui continuar porque o ânimo sumiu com o passar dos meses quando veio a fase depressiva.

Isso aconteceu na minha faculdade de Gestão Financeira que eu quase abandonei no último semestre. Também aconteceu em um curso de inglês In-Company que eu estava fazendo, novamente quando eu estava estudando para os vestibulares. Eu também poderia ter acabado com meu relacionamento por conta de infidelidade.

Não, eu não traí meu cônjuge literalmente, mas em uma das minhas crises eufóricas eu flertei e dei em cima de uma quantidade absurda de pessoas (mesmo que ao tenha se relacionado fisicamente com elas). Publiquei fotos íntimas minhas nas minhas redes sociais porque perdi completamente o controle de mim mesmo.

Se eu estivesse me relacionando com uma pessoa que não fosse tão compreensiva, meu relacionamento poderia ter acabado depois dessa crise porque não são todas as pessoas que entendem ou no mínimo conseguem conviver com esse tipo de comportamento vindo do seu namorado/namorada, não é?

Isso tudo considerando que fui diagnosticado consideravelmente cedo já que a maioria dos bipolares levam cerca de 10 anos até receber o diagnóstico correto. Nesse meio tempo tem o problema de a pessoa não ter consciência de que a vida dela pode estar uma bagunça por causa de um transtorno mental e também por isso não busca tratamento. Também tem o de quando ela finalmente vai buscar ajuda médica os profissionais têm dificuldade para chegar em um diagnóstico já que é uma doença complexa e difícil. Muitas vezes a pessoa passa por vários profissionais diferentes com o passar dos anos e faz tratamentos para outras doenças.

Entre esses tratamentos possíveis existem os para a depressão unipolar que geralmente pioram a situação dos bipolares porque eles não podem tomar antidepressivos sem o acompanhamento de estabilizadores de humor e/ou antipsicóticos do contrário talvez tenham uma piora considerável do quadro. Desde do episódio depressivo (que é o que leva ao diagnóstico errôneo) até uma virada maníaca ou uma instabilidade muito prejudicial.

Imagina viver todos esses anos sem receber o tratamento adequado? Imagina os prejuízos: quantos relacionamentos e até casamentos arruinados, carreira arruinada, estudos, amizades, finanças, etc. Terrível, não é?


Estamos tendo nossas emoções roubadas pelos medicamentos?

Só que quanto mais a pessoa vive dentro da montanha-russa bipolar, mais ela se apega a essa instabilidade. Então, quando ela passa a ser medicada inicialmente ela acredita que suas emoções estão sendo roubadas pelos medicamentos e ela está se tornando alguém apática e sem vida. Na maioria das vezes o que acontece é que a pessoa estava acostumada a viver com um espectro de emoções extremo e agora ela está tendo que lidar com um saudável próximo do que as outras pessoas que não possuem distúrbios do humor tem.

Quando você passou anos da sua vida lidando com alegrias extremas, tristezas extremas, paixões extremas ou indiferenças extremas e do nada tem que lidar com emoções mais contidas você acaba por ter a impressão que está perdendo sua capacidade de sentir. Isso também se agrava pelo fato de que as sensações causadas durante as fases maníacas/eufóricas são viciantes, é viciante sentir paixão extrema pela vida, que você pode tudo, mas isso não significa que apesar de gostoso seja saudável, não é?

Porque no meio disso a pessoa perde a noção de risco e consequência e faz coisas que podem destruir a sua própria vida. Depois que a fase eufórica passa a pessoa recobra a lucidez e percebe as coisas inconsequentes que fez, ou até mesmo pode entrar em depressão, e então ela sente muita culpa e vergonha.

Esse é um dos fatores que fazem com que a Bipolaridade seja o transtorno mental com maior incidência de suicídio dentre todos porque a depressão unipolar, somente, é menos destrutiva. Eu não gosto de tratar outras condições de saúde mental como menos graves, mesmo que de fato elas sejam.

Porque acredito que sofrimento é muito subjetivo e eu não gosto de tratar o meu como maior que o dos outros que também sofrem. Quando digo que a depressão unipolar é menos destrutiva que a bipolaridade eu não estou dizendo que o sofrimento dos depressivos unipolares é menor, mas sim que os prejuízos financeiros, sociais, sexuais, acadêmicos e todos os outros tendem a ser menores já que pessoas depressivas fazem menos coisas inconsequentes. Não possuem episódios eufóricos ou mistos e, acabam não sabendo o que é você passar por um episódio eufórico de meses e acabar com seus vínculos afetivos, suas finanças, com seu casamento e outras coisas sem ter a menor noção de que está fazendo isso. A euforia elimina a noção de risco e consequência e depois quando você volta a lucidez ou entra em depressão percebe o estrago que a crise fez na sua vida.

Você pode se encontrar sozinho, sem amigos, sem dinheiro, sem emprego, sem faculdade porque destruiu tudo isso durante a euforia. A depressão é muito destrutiva também, mas ter depressão com euforia é muito mais destrutivo.

A energia da euforia.

Além disso, bipolares são mais impulsivos e energéticos que depressivos unipolares, então pessoas com depressão unipolar muitas vezes tem ideação suicida, mas não tem impulsividade suficiente para cometer o ato. Muitas vezes não tem energia suficiente para executar seus planos, enquanto os bipolares vão ao impulso e tentam se matar.

A maioria das tentativas de suicídio de bipolares ocorre durante as crises mistas, em que a pessoa vivencia sintomas de depressão e de euforia simultaneamente, e nas fases de transição de uma fase depressiva para uma eufórica. Então durante a fase depressiva a pessoa geralmente pensa em suicídio, mas não tem energia ou impulsividade suficiente para executar o ato, porém, quando ela tem uma virada maníaca ou crise mista ela aparece e ela vai lá e tenta. Não sou eu quem está dizendo isso, é um dado científico. Fonte: Portal Drauzio Varella.



Quanto mais rápido aceitar o tratamento, melhor

Então se você foi diagnosticado com bipolaridade, saiba que quanto mais você demorar a aderir os remédios, mais difícil vai ser desapegar da montanha-russa de emoções. Mais difícil também vai ser desapegar dos prazeres falsos da fase eufórica. Vivi a euforia poucas vezes, mas eu senti o quanto ela pode ser viciante, eu também tive essa sensação de que as minhas emoções estavam sendo roubadas pelos remédios, mas em menor grau do que pessoas que são diagnosticadas mais tardiamente acabam por vivenciar.

Só que eu definitivamente estou chegando à conclusão de que estou eufórico agora. Não sei se é uma euforia intensa, penso que é um episódio leve, mas ela já se estende por algumas semanas e tem sido viciante.

No começo apesar de eu desconfiar de que poderia ser uma euforia, achei mais plausível considerar a possibilidade de que eu apenas estivesse mais feliz, vivendo um bom momento, nem sempre que temos uma alteração de humor significa que seja patológica mesmo em pessoas bipolares, mas muita gente trata assim. Qualquer tristeza, pensam que é depressão, qualquer felicidade ou empolgação elas tratam como euforia. Isso ocorre porque os bipolares acabam perdendo um pouco a noção do que são sentimentos dentro de um espectro saudável e o que não é. Então antes de cogitar que eu estivesse eufórico cogitei a possibilidade de que eu estivesse apenas empolgado. Hoje eu realmente estou chegando à conclusão de que estou de fato eufórico. Vou explicar porquê.

Demi Lovato falando sobre seu transtorno bipolar.

As fases da bipolaridade não são caracterizadas apenas pelos sentimentos, elas também possuem outros sintomas como alterações no sono, libido, apetite e peso, produtividade, entre outros. Percebo que eu esteja tendo esses sintomas.

Perda ou ganho de peso.
Flutuações no apetite
e no peso estão entre possíveis
sintomas. (Imagem retirada do site Clipartmax)
O principal deles são as alterações no sono, quando estou estabilizado costumo dormir nos horários corretos, mas nas últimas semanas tenho passado noites em claro porque ele não aparece.

Na euforia as pessoas sentem menor necessidade de sono, tenho dormido poucas horas por dia mesmo não tendo nenhum compromisso nem nada. Meu sono tem sido bastante dividido.

Ao invés de dormir uma noite inteira, estou tirando pequenos cochilos durante o dia e devido a isso meus horários ficaram completamente desregulados. Outro sintoma que estou sentindo é um aumento considerável da minha produtividade que também é muito característico da fase eufórica.

Alguns famosos que são bipolares, como a cantora Demi Lovato já deram depoimentos sobre ficarem muito produtivas na fase eufórica, no caso dela, ela passava horas de madrugada escrevendo músicas. Há pessoas bipolares que decidem arrumar a casa de madrugada ou coisa do tipo, no meu caso, estou sendo produtivo aqui na página escrevendo textos enormes com uma frequência que eu nunca escrevi antes e alguns passei muitas horas redigindo.

Insônia, alterações no sono
Alterações no sono. (Imagem retirada da internet)
O texto que gastei mais tempo escrevendo foi uma nota que acabei tendo que publicá-lo na sessão de notas da página justamente porque ele acabou ficando enorme e não caberia em um post comum. Fiquei cerca de 20h ininterruptas redigindo, passei uma noite inteira em claro e nem sequer percebi. Pensava que eu ainda iria dormir naquela noite, mas quando postei o texto já estava de manhã.

Claro, se tivesse sido apenas um episódio isolado, não se configuraria como uma crise de euforia, por mais atípico que isso tivesse sido comparado ao comportamento que eu costumava apresentar, mas eu não parei por aí, foram vários textos nesse último mês.

Outro sintoma que pode acontecer durante a fase eufórica é um aumento da líbido.

[Atenção: isso não ocorre com todos os pacientes, as fases eufóricas e depressivas possuem uma infinidade de sintomas e para a pessoa ser diagnosticada como se estivesse passando por um desses episódios ela precisa ter uma quantidade mínima deles, mas não necessariamente todos. Isso significa que duas pessoas podem ser bipolares e vivenciarem sintomas COMPLETAMENTE diferentes em suas respectivas crises. Eu, por exemplo, nunca tive o sintoma do descontrole financeiro, enquanto alguns bipolares têm.]

Desde as minhas primeiras crises eufóricas o aumento da libido foi um sintoma que se destacou, então sempre que estou com ela mais alta fico atento a isso. Ela tem estado mais alta nas últimas semanas. Eu me senti atraído por mais pessoas, tive muitos crushes, acabei por me insinuar sexualmente para alguns amigos e fiz sexo de um jeito muito mais intenso que o usual.

Parecia que as minhas zonas erógenas estavam muito mais sensíveis que o habitual e eu estava me sentindo muito mais prazer, tive um dos melhores orgasmos dos últimos tempos, inclusive. Fora isso eu também estou sentindo uma paixão pela vida muito maior do que costumo sentir, eu me olho no espelho e me sinto apaixonado por mim mesmo. Estou cada vez mais apaixonado pelo meu namorado e pelas minhas gatas.


Penso que por mais que eu não esteja tendo prejuízos tão grandes quanto tive nas minhas primeiras crises que também foram mais intensas e estou conseguindo sublimar essa energia em atividades construtivas, como escrever aqui na página, acredito que chegou a hora de ascender um sinalzinho de alerta. A euforia às vezes é muito gostosa, mas ela pode acabar com a sua vida e o que você construiu.


Inconscientemente eu desejei isso?


Confesso que acredito que eu induzi isso inconscientemente. É duro admitir, eu não havia contado isso para ninguém, nem para minha psicóloga, meu médico e o meu namorado, mas deixei de lado um dos medicamentos que é o lítio nas últimas semanas.

Isso aconteceu porque tive que pegar uma nova receita dele para comprar mais remédios, mas fiquei procrastinando. A quantidade que eu tinha comigo, acabou e eu ainda não comprei mais, então estou há algumas semanas sem ele. Um dos fundamentos da Psicanálise é o determinismo psíquico e ele parte da ideia de que nada no nosso comportamento é obra do acaso tudo que fazemos está ligado dentro da nossa mente como se fosse a relação de causa e efeito da Física.

Então, sempre que você esquece uma coisa, isso teve uma causa, o mesmo quando você procrastina ou deixa de tomar seu medicamento, porém, as causas que ligam esse esquecimento e essa procrastinação são inconscientes, então isso provoca a impressão que elas aconteceram por acaso. Estou querendo dizer que talvez eu tenha deixado de ser disciplinado com meus medicamentos porque inconscientemente eu não quisesse tomá-los, desejei sentir a paixão e a intensidade da euforia novamente.

Penso que eu quis mesmo, mas amanhã mesmo vou comprar o remédio. Fico um pouco triste porque eu queria me sentir mais vivo e apaixonado do que os remédios me permitem, mas infelizmente eu não posso ceder a tentação e colocar a perder todo esse tempo de tratamento, não é mesmo? 😔😔😔 O lítio é um dos estabilizadores de humor que tomo, o outro é Quetiapina que é antipsicótico que também tem essa função. Então o principal papel do lítio é conter a minha euforia e penso que isso evidencia ainda mais que deixei ele de lado para poder sentir isso novamente.


Quando comecei a fazer psicoterapia a minha terapeuta tentava me mostrar como muito do meu sofrimento era causado por mim mesmo. Isso não significa que a culpa de estar doente era minha, mas que atitudes inconscientes minhas eram responsáveis por parte das minhas queixas também e para melhorar eu precisava tomar consciência disso e a partir de aí mudar algumas coisas.

Inconsciente citação
"Até você se tornar consciente, o Inconsciente irá dirigir a sua vida e você irá chamá-lo de destino"  
- Carl Gustav Jung




Por que bipolares tem resistência em seguir o tratamento? (Reflexão)
Salve no Pinterest!





Referências

  1. NCBI - Reduced Neurite Density in Neuronal Cell Cultures Exposed to Serum of Patients with Bipolar Disorder. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27207915>. Acesso em 22 de Fevereiro de 2019;
  2. Revista Neurociências - Estudo da Inflamação no Transtorno Afetivo Bipolar: Avaliação de Citocinas Inflamatórias. Disponível em: <http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2014/2201/2201revisao/898revisao.pdf>. Acesso em 22 de Fevereiro de 2019;
  3. Uol Ciência e Saúde - Pacientes com transtorno bipolar levam até dez anos para receber o diagnóstico. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/10/11/transtorno-bipolar-pode-demorar-dez-anos-para-ser-diagnosticado.htm>. Acesso em 22 de Fevereiro de 2019;
  4. Hospital Sírio-Libanês - Viver com transtorno bipolar. Disponível em: <https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/imprensa/noticias/Paginas/Viver-com-transtorno-bipolar.aspx>. Acesso em 22 de Fevereiro de 2019;
  5. Portal Drauzio Varella - Transtorno bipolar é a doença que mais causa suicídios. Disponível em: <https://drauziovarella.uol.com.br/geral/transtorno-bipolar-e-a-doenca-que-mais-causa-suicidios/>. Acesso em 22 de Fevereiro de 2019;
  6. Portal Educação - O determinismo psíquico e os processos mentais inconscientes. Disponível em: <https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/psicologia/o-determinismo-psiquico-e-os-processos-mentais-inconscientes/12452>. Acesso em 22 de Fevereiro de 2019.



Comentários

  1. oi!
    Eu acho que qualquer pessoa que tenha um problema psiquiátrico resiste ao tratamento por não aceitar que tem um problema. Eu tive depressão e demorei muito a aceitar que precisava de ajuda e permitir que fosse ajudada....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, a pior parte, na minha opinião, são os medicamentos. Infelizmente um mal necessário.

      Obrigado por comentar <3

      Excluir
  2. Eu não conhecia muito sobre o transtorno bipolar e seu texto foi esclarecedor em muitos aspectos, achei que a forma que escreveu foi mais esclarecedora do que textos que costumo ver por aí, parabéns pela postagem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que não tem tantas pessoas que falem sobre isso do ponto de vista de um portador. É diferente falar de um jeito técnico de falar de como é de fato viver assim.

      Obrigado por comentar <3

      Excluir
  3. Sem dúvida, bipolaridade é um problema muito sério. Um familiar meu já teve e foi mesmo bem difícil dele entender e aceitar que tinha. Tudo se resolveu, e ele faz terapia até hoje. (Garotas Devorando Livros)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que ele tenha conseguido se tratar e viver bem!

      Muitos bipolares passam por essa fase de resistência ao tratamento, quanto mais demoram a se tratar, mais difícil fica.

      Obrigado por comentar ;)

      Excluir
  4. Acho que qualquer doença psicológica é um choque grande para a pessoa, e tomar remédio só fortifica isso. Eu, que odeio tomar remédio a qualquer custo, se tivesse que tomar algo regulado eu ficaria bem receosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também odeio tomar remédios e me atrapalho muito com os horários, mas tive que me acostumar :( kk

      Obrigado por comentar ;)

      Excluir
  5. Nao conhecia sobre o transtorno bipolar e vc esclareceu tudo gostei donpost parabens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou! Meu objetivo é trazer informação mesmo.

      Obrigado por comentar! ;)

      Excluir
  6. Cara, que texto maravilhoso. Ele não podia estar só aqui no seu blog, tem que ser compartilhado, lido e relido por todos que trabalham ou possuem curiosidade sobre a bipolaridade. Uma pena que quase ninguém possa ver um depoimento como este, feito não por um especialista, mas por alguém que vive isso! De fato, um texto longo (e no começo eu achei q seria legal ver em 2 ou mais posts), mas no fim entendi a grandiosidade dele. Vale a pena a leitura de cada linha. Como vc mesmo disse, nada, nem mesmo sua escrita, é obra do acaso.
    Parabéns mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vejo muito poucos textos trazendo a perspectiva dos pacientes por ai, isso me motiva a escrever sobre isso.

      Obrigado pela sua opinião, Lucas! ;)

      Excluir
  7. Tenho duas pessoas próximas com esse transtorno e vejo o quanto o tratamento é difícil. É muito bom ler essas coisas do ponto de vista de quem sofre com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que elas fiquem bem :O

      Aqui no meu blog eu dou muitas dicas e relatos que podem ajudar pessoas que tem essa condição.

      Obrigado por comentar! <3

      Excluir
  8. Olá! Eu não tinha noção de como era na real o transtorno bipolar. Confesso que ao ler seu texto, me deu até uma dor na consciência de todas as vezes que eu sou usei a expressão "to muito bipolar" por bobeira. Acredito que uma postagem assim, pode ajudar muitas pessoas até mesmo ajudarem outras. Parabéns pela iniciativa. Beijos
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas pessoas usam esse tipo de expressão por falta de conhecimento mesmo. Ainda bem que contribuí para espalhar informação <3

      Obrigado!

      Excluir
  9. Olá
    Seu relato é realmente um tesouro, é muito bom ver uma pessoa que vive na pele uma condição. Tenho um amigo que não resistiu ao casamento com uma moça bipolar, e o fato dele ter transtorno de ansiedade só agravou a situação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que triste :(

      Acho que eles deveriam ter buscado fazer psicoterapia, mas às vezes é melhor terminar mesmo e namorar com alguém quando tiver condições.

      Excluir
  10. Texto rico em informações sobre esse transtorno, que não é brincadeira. Já vi pessoas com esse problema e fiquei assustado quando elas manifestaram esse quadro. E são pessoas adoráveis, que fiquei até sensibilizado, pois elas sentem - se desamparadas, portanto além da necessidade médica, elas precisam de muito apoio da família e parentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser meio assustador mesmo :O

      Mas com tratamento é possível ter qualidade de vida :3

      Excluir
  11. Olá!

    Adorei saber mais sobre o transtorno bipolar. Hoje em dia é meio que 'moda' falar que alguém é bipolar, sem nem saber a fundo do que se trata esse transtorno.
    Parabéns pelo post. Super explicativo.

    Grande beijo,
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Dica: clique em "notifique-me" para que você seja avisado(a) por e-mail quando eu responder seu comentário ❤