"Ele parecia estar bem..." (Reflexão)

Reflexões minhas depois de uma crise intensa do meu quadro de transtorno bipolar.
(Imagem retirada do site Uihere)

Oi... 😰

Quem acompanhou as redes sociais do blog nos últimos dias viu que eu não estou bem, falei que iria procurar uma emergência psiquiátrica e que talvez eu ficasse ausente por um tempo. De fato vou, mas penso que não seria justo com vocês eu falar aquelas e coisas e simplesmente sumir sem dar nenhum esclarecimento sobre o que vem acontecendo comigo ou o que acontecerá nas próximas semanas. Tendo isto em mente, resolvi escrever este post.

Apesar da pausa, quero que saibam que eu ainda estou organizando o grupo de estudos de psicanálise para moradores da grande São Paulo. Por favor, se inscrevam, divulguem para amigos e familiares que possam se interessar, ok? Me sinto muito sozinho estudando, queria encontrar pessoas dispostas a mergulhar nessa jornada comigo.

Siga nas redes sociais:
👍 Facebook | 💬 Twitter | 📷 Instagram | 📌 Pinterest
🔔 Seja um padrinho! Conheça minha campanha no Padrim

Vou tentar explicar brevemente o que tem acontecido e propor uma pequena reflexão que talvez sirva de conscientização. O setembro amarelo terminou, mas precisamos continuar falando sobre essas coisas o ano inteiro, não é mesmo?

Bem, sou diagnosticado com Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) desde meados de 2017. Consiste em um distúrbio do humor consideravelmente complicado ou, sem eufemismos, grave. Esse foi um dos motivos que me levaram a criar este blog, que inicialmente era uma fanpage de Facebook que eu utilizava como diário. Com o tempo, acabei incluindo aqui algumas paixões que fui adquirindo: poesia, psicanálise, quadrinhos, etc.

Livro que minha psicóloga me emprestou
Minha psicóloga me emprestou esse livro quando comentei com ela que tinha o sonho de estudar psicologia e psicanálise. (Imagem do meu arquivo pessoal)

Apesar de o meu diagnóstico ser recente, apresento problemas de humor desde pequeno. Sinceramente? Eu só me lembro de ser uma criança "normal" lá no comecinho da infância mesmo, na época que eu estava na pré-escola, por exemplo. Minha falecida avó costumava falar para os meus pais que parecia ter alguma coisa errada comigo, eu parecia menos energético e mais apático que as outras crianças da minha idade, especialmente o meu irmão que era o extremo oposto.

Eu costumava dormir na casa dessa minha avó de vez em quando. Eu gostava muito e lembro que eu falava para ela que eu a amava mais que o sol, a lua e as estrelas. A música Dona Cila da Maria Gadú me faz lembrar dela: De todo o amor que eu tenho/ Metade foi tu que me deu 🎵

Tive uma adolescência extremamente complicada. Acho que foi uma das fases mais difíceis da minha vida. Era comum eu passar tardes inteiras chorando sozinho na cama. Eu tinha o costume de me isolar. Alguns amigos e colegas da escola costumavam passar na minha casa para me procurar e eu fugia deles. Desligava todas as luzes da casa e deixava a cortina da sala fechada para parecer que não havia ninguém em casa. Quando eles tocavam a campainha, eu ignorava escondido no quarto. Nessa altura eu já sabia que tinha algo de errado comigo, mas eu não tinha coragem de pedir ajuda. Já tive oportunidade de fazer terapia com uma psicóloga amiga da minha família, mas fugi que nem diabo foge da cruz.


Só fui me tratar depois de adulto. Passei a ter problemas no trabalho e para conseguir acompanhar um curso de inglês que eu fazia na época, então resolvi buscar ajuda psiquiátrica. Fui diagnosticado inicialmente com depressão unipolar e passei por vários médicos até finalmente considerarem bipolaridade.

O motivo de terem mudado meu diagnóstico de depressão para bipolaridade foi a forma como eu reagi a alguns medicamentos e o fato de também ter passado a apresentar crises de euforia e crises mistas, além dos episódios depressivos. Não vou explicar o que são essas crises aqui para não me estender muito, o objetivo dessa publicação não é explicar o que é o transtorno bipolar, mas vou deixar um vídeo abaixo explicando mais detalhadamente para quem tiver curiosidade:


Melhorei com o tratamento, mas nunca totalmente e, para piorar, tive vários efeitos colaterais desagradáveis com os remédios. Engordei 10kg em pouco mais de um mês e todas as calças sociais que eu usava para trabalhar rasgaram, meu rosto ficou inchado e com mais acne, minha libido sumiu e eu ficava muito sonolento.

Então, em dezembro do ano passado meu psiquiatra disse que não poderia mais me atender por questões de disponibilidade. Ele estava fazendo cursos e participando de congressos em que ele teria de viajar muito e não estaria aqui para me acompanhar em caso de emergências. Logo, ele escreveu um relatório bem detalhado sobre o meu caso e me encaminhou para outro profissional. Ele me aconselhou a tentar passar pelo SUS porque disse que é muito bom.

Daí, fui procrastinando e gradualmente parei de tomar os remédios. Eu estava cansado dos efeitos negativos, sabe? Sou jovem e minha autoestima estava no fundo do poço por causa das alterações no meu corpo e devido à falta de libido. Chegou a um ponto que eu estava evitando sair de casa por vergonha da minha aparência.


Quando parei com os medicamentos, ainda em meados de janeiro, emagreci tudo que eu havia engordado em apenas 1 mês sem nem praticar atividades físicas, meu apetite mudou, minha pele melhorou e a libido voltou. Eu não pretendia parar definitivamente, na verdade, fui aos poucos esquecendo de tomar até interromper de vez. Contudo, depois de ter visto todas as minhas queixas e efeitos colaterais indo embora fiquei em um dilema se realmente valia a pena.

Outra coisa que observei é que meu humor ficou mais estável. Meu quadro estava estabilizado há um tempo em dezembro quando meu médico parou de me atender, mas notei que fiquei ainda melhor depois que interrompi a medicação. Talvez pela melhora da autoestima ocasionada pelo fim dos efeitos colaterais? Não sei. Também tenho a teoria de que um dos remédios que eu tomava não me fazia tão bem. Pesquisando sobre, descobri que não é muito recomendada a utilização de antidepressivos em pacientes bipolares. É permitida a utilização desde que acompanhados de outros medicamentos, porém, existem controvérsias quanto à sua eficácia no longo prazo.

Não vou colocar as fontes desses dados aqui porque estou muito cansado e este não é o foco do post, ok? Também preciso deixar claro que não estou recomendando ninguém a fazer essa maluquice que eu fiz. Aliás, posso afirmar seguramente que interromper os medicamentos sem acompanhamento foi uma das piores decisões que já tive na minha vida.

Se você está insatisfeito com os efeitos colaterais dos remédios que você toma ou se você quer arriscar tratar seu quadro bipolar sem drogas, por favor, procure um médico para te auxiliar. Existem profissionais que tem experiência em tratar bipolares com pouco ou nenhum remédio na fase de manutenção da doença, mas não se arrisque sozinho porque pode custar caro.

Pois, bem, eu não pretendia ficar sem tratamento medicamentoso para sempre, mas como eu estava bem há um bom tempo e estou conseguindo identificar os fatores de risco que me levam à instabilidade, fui deixando para depois como se não houvesse urgência. Permaneci estável de janeiro até meados de agosto, ou seja, por volta de 8 meses. Entretanto, há cerca de um mês entrei em uma crise horrível.


Voltei a ter ataques de pânico, passei várias madrugadas chorando e com sentimentos de solidão avassaladores. Também tive comportamentos de risco em diversas situações não muito coerentes com meus padrões de comportamento habituais. Aí, na última quinta-feira eu estava sozinho em casa e eu estava me sentindo tão angustiado, mas tão angustiado, que eu quase cometi suicídio. Só não consumei o ato porque fui interrompido bem a tempo, mas estava tudo pronto. Não quero dar mais detalhes porque não quero que esta publicação seja gatilho para ninguém, ok?

Desde quinta, inúmeras vezes tive essa vontade. Ela vai e vem e geralmente quando vem, vem forte. Além de que estou gerando discussões intermináveis o tempo inteiro, uma verdadeira tempestade. Por isso, precisei procurar uma emergência psiquiátrica na última segunda-feira. Voltei a tomar remédio, dessa vez apenas um e não três e fui encaminhado para o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) onde receberei acompanhamento.


O que estou tendo é um episódio misto bem característico do meu quadro, a maioria das minhas crises foram assim. Consiste em uma mistura de sintomas de depressão e euforia. A bipolaridade é o transtorno mental que mais provoca suicídios justamente por causa desses estados mistos e das fases de transição entre depressão e euforia. Geralmente, quando uma pessoa tem depressão unipolar ela tem pouca energia até mesmo para tentar algo contra a própria vida. Depressivos demoram mais até chegar nesse ponto e demoram mais para repetir a tentativa, ao contrário de bipolares que são uma explosão de impulsividade nesses momentos.

Parecer bem não é estar bem

Reflexões minhas depois de uma crise intensa do meu quadro de transtorno bipolar.
(Imagem retirada do site Pixabay)

Uma coisa que me chamou atenção esses dias, e que inspirou o título deste post, é que alguns amigos, e pessoas que convivem comigo, falaram: "poxa, mas naquele dia você estava bem.". Então, percebi que as pessoas não entendem muito bem. Não culpo elas, acho que nem os pacientes, nem os médicos e terapeutas entendem às vezes, mas achei interessante chamar atenção para esse ponto.

Nem sempre a pessoa parecer estar bem significa que ela está. Isso se tratando de qualquer transtorno mental, mas falando da bipolaridade, especificamente, que o que entendo mais. Quando um médico avalia se uma pessoa bipolar está em crise, ele observa como ela esteve no intervalo de alguns dias ou semanas, muitas vezes até períodos maiores, tanto negativamente, quanto positivamente.

Ou seja, se o paciente teve uma crise de choro na manhã daquele dia ou no dia anterior, não significa que ela está em depressão. Para se configurar um episódio depressivo, é preciso que a pessoa tenha tido mais crises ou mais sintomas característicos desse tipo de episódio durante um período mínimo de alguns dias. Também é preciso avaliar se eles estão relacionados com algum acontecimento da vida do paciente porque pode ser um luto ou alguma reação emocional proporcional, portanto, não patológica.

O mesmo tipo de análise é necessária para concluir se a pessoa está bem. Parecer calmo durante uma tarde ou durante uma manhã, não significa que a pessoa já saiu da crise se nos últimos dias ou semanas ela esteve surtando. Aliás, sair de uma crise aguda muitas vezes é bem demorado e trabalhoso.


Finalizando...

Ufa, foi bem cansativo escrever este texto porque estou um caco, mas fiz uma forcinha. Vou ficar ausente aqui do blog algumas semanas e paralisarei várias responsabilidades que tenho para me concentrar no meu tratamento. Vou aproveitar e ler alguns livros, estou descobrindo que gosto bastante de leitura infantojuvenil e acho que devorarei algumas obras do Monteiro Lobato. Ainda estou organizando o grupo de estudos, como falei mais acima, estou recebendo inscrições, mas ele vai demorar um pouco para começar.

Interpretem esse hiato como um "até logo", provavelmente vocês não vão nem perceber porque nesse mundo de internet as semanas passam voando. Estou fazendo todo o meu tratamento pelo SUS e estou gostando muito, depois pretendo escrever um post sobre isso, por razões de utilidade pública. Não se esqueçam de mim... 😔


Comentários

  1. Nossa Raphael, se cuida. Você deve estar passando uma barra e tanto, ainda bem que está com ajuda profissional. Estou na torcida para que tudo melhore. Tudo de bom pra você.

    ResponderExcluir
  2. Desejo melhoras para você, que consiga se sentir melhor, se cuida e se quiser conversar estou a disposição. Passei por uma depressão, mas vez me sinto deprimida, melhorei e muito, mas sei que ainda não me recuperei por completo e nem sei se vou. Conte comigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo apoio ❤

      É engraçado que às vezes sinto como se o pessoal que interage comigo nos grupos de blogueiros acabam sendo uma espécie de família já que estamos sempre acompanhando um ao outro. :3

      Excluir
  3. Caramba, que história e por quanta coisa você já passou hein.
    Eu espero, de coração, que você melhore e volte logo aqui para a blogosfera. Até logo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida tem muitos altos e baixos, espero que eu não demore muito para sair dessa fase. Obrigado :3

      Excluir
  4. Obrigado por compartilhar algo tão difícil, tente não esquecer de respirar e lembrar que existem pessoas tentando ajudar, muitas vezes é difícil encontrar, mas espero de coração que você se encontre :)

    ResponderExcluir
  5. Oieee, desejo melhoras para você e que você fique bem logo. Infantos juvenis são tudo de bom, se joga nesse gênero que irá te fazer super bem. Até logo!

    ResponderExcluir
  6. Primeiro de tudo desejo força e que você fique bem. Eu tenho transtorno de ansiedade e bem bem longe e tão pesado quanto o seu problema, mas entendo bem quando você levanta o ponto de que nem sempre o fato de parecemos bem significa que estamos bem. Parabéns por escrever esse texto e abordar esse assunto tão importante. Se cuide, se fortaleça e fique bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A parte boa é que eu conheci melhor como meu quadro funciona com essa crise.

      Excluir
  7. Olá, Raphael.

    As vezes os medicamentos até ajudam a tratar a doença, mas em contrapartida detonam totalmente o nosso corpo.
    Espero que você fique bem e consiga recuperar-se dessa fase ruim, estaremos aguardando ansiosamente o seu retorno!

    www.pactoliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, mas pessoas que sofrem de bipolaridade não podem ficar sem nenhum remédio. Acho que vou ter que ver de ficar com uma quantidade que não me deixe tão mal. Eu realmente não aguento essas variações do corpo :'(

      Excluir
  8. cara, realmente muito complicado lidar com isso ne?! eu não entendo o que você passa, mas sei o que eu paso com minhas crises de panico, ansiedade e depressão e ter esse problema todo, mas te desejo muita força, eu sei que é dificil, mas vai dar tudo certo, eu acredito!

    ResponderExcluir
  9. Muito obrigada por compartilhar , brevemente, o que se passa e não sumir de vez. Fico feliz em saber que está com o tratamento em andamento. E precisa desse tempo para cuidar de si mesmo, e que esse hiato não é um adeus. Sinceramente, já vou sentir falta das suas postagens aqui no blog. Principalmente, as de psicanálise.😊 E pode deixar, irei divulgar o grupo de estudos. Porque achei uma ótima ideia! Admiro muito a sua força nessa luta diária, de muitas outras que ainda virão pela frente. Fico torcendo pela sua melhora. E aguardo a sua volta cheio de experiência para contar por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado <3

      Não vou demorar tanto para fazer novos posts porque esse blog é uma coisa que eu amo muito.

      Excluir
  10. Melhor ir atrás de tratamento, não há nenhuma vergonha nisso. Se cuide, vá com calma e leve o tempo que precisar.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  11. Olá, Rafa! Lendo seu post s me lembrando do primeiro seu que li . Lembro-me de você falando sobre isso , sobre o Blog... Parecia que estava indo tudo tão bem... Mas vai melhorar! Leve o tempo que for preciso, viu?! Tão bonito o fato de vc ainda estar dando apoio no projeto social que se engaja! Está difícil, mas vai melhorar! Estamos aqui na torcida por vc, jovem talentoso! Seu post com certeza está agora influenciando positivamente muitas pessoas, acredite! Um abraço! Se cuida! Esperamos por você! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! <3

      Estou indo bem, acho que eu desandei mesmo porque fiquei esse tempo todo sem acompanhamento médico e sem remédios, foi uma decisão bem inconsequente :'(

      Excluir
  12. Desejo apenas que você fique bem e no seu tempo volte com suas ótimas postagem na hora certa. Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Nossa Raphael, imagino que toda a situação que vc passou foi muito delicada, mas que bom que vc teve forças para continuar seu tratamento que tenho certeza será bastante benéfico. Ficarei na torcida para tudo correr bem e no aguardo pelo seu retorno. Fique bem.

    ResponderExcluir
  14. De forma alguma esqueceremos de você.
    Sempre aprendo muito no seu blog, mas o mais importante no momento é se cuidar. Você precisa desse tempo para você e é super compreensível. Fico feliz que tenha retornado ao tratamento porque é algo que não podemos deixar de lado.
    Tenho certeza que voltará mais forte que nunca e trazendo todo esse conteúdo de qualidade que sempre trouxe. Fiquei curiosa em saber mais sobre o tratamento pelo SUS porque venho adiado meu tratamento psicológico por falta de grana e nem sei por onde começar para conseguir atendimento gratuito.

    Beijos,
    Amanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estou gostando bastante, mas aparentemente o CAPS é mais focado em transtornos mais delicados tipo esquizofrenia e bipolaridade. Só que eu acho que vale a pena ver como faz o tratamento pelo SUS normal também.

      Meu médico anterior trabalhava no SUS e ele me dizia que era bom, ele que me recomendou tentar passar lá.

      Excluir
  15. Queria começar dizendo que admiro sua coragem por escrever sobre essas coisas aqui no seu blog e por abrir seu coração.
    Também queria dizer que sofro de Borderline e isso é realmente muito difícil, qualquer tipo de problema psiquiátrico é difícil mas o que importa é que você tem noção do que te faz mal e do que precisa se afastar para se tratar e eu te admiro por isso.
    Espero que você melhore logo e pode contar comigo para o que precisar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom porque me sinto menos sozinho quando compartilho as coisas aqui. Muito obrgado pelo apoio :3

      Excluir
  16. O seu post deveria ser lido por todo mundo. Realmente, a maioria das pessoas não entendem que uma pessoa depressiva ou bipolar , com tendências suicidas, não vai sair anunciando que está mal, ou que vai se matar... Às vezes, eles até avisam, dão pistas e tudo mais, mas não necessariamente vão aparentar isso.
    Muita gente pensa também que todo depressivo tenta cometer suicídio, mas não é bem assim também! Não existe uma regra, até porque se trata de pessoas e doenças psicológicas.
    Mas vou te contar uma coisa... eu fiquei MUITO feliz por saber que você não cometeu suicídio. Acredito que você não chegou a cometer esse erro porque sabe que vale a pena viver, mesmo que tenha tantas provações e montanhas-russas emocionais.
    Você fez muito bem em procurar ajuda e isto serviu como um grande exemplo de força de vontade para lutar contra os próprios impulsos. Parabéns! <3

    Beijos,
    FooDicas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geralmente nas vezes que eu tive ideação suicida foi mais porque eu estava me sentindo muito angustiado e não conseguia enxergar outra forma de fazer essa angústia passar. Acaba sendo uma medida desesperada.

      Obrigado pelo apoio :3

      Excluir
  17. Tiro tantos ensinamentos e aprendo tantas coisas aqui!
    Amo e obrigado por tudo isso

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Desejo melhoras, e saiba que tudo ficará bem no seu tempo.. Não consigo imaginar sua dor e o que você passa, mas estou mandando muitas energias positivas e torcendo para que tudo melhore.
    É ótimo que você esteja procurando ajuda médica, pois com certeza isso irá te ajudar muito..
    Fique bem, e se cuide!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Dica: clique em "notifique-me" para que você seja avisado(a) por e-mail quando eu responder seu comentário ❤